segunda-feira, 10 de setembro de 2007

União.




































Águas que brotam em pequena nascentes.

E seguem tortuosas linhas.

Descem montanhas e montes.

Enfrentam obstáculos na trilha.

A sua frente pedras e cascalhos.

O leito seco da terra que lhe suga.

Mas, insistem e continuam.

E unindo-se umas as outras formam riachos.

E pequenos rios.

E rios caudalosos.

Até se unirem ao mar.

Tornam-se fortes e imbatíveis.

Beleza impar sem par.

Assim deveriam ser os homens.

Em suas peregrinações.

Frente aos seus obstáculos.

Deveriam unir-se sem conceito de fronteira ou nação.

E unidos no bom embate.

Seriam invencíveis na criação.

De uma humanidade amorosa.

Digna de admiração.

2 comentários:

Ariana Quintiliano disse...

Lindo poema! Quem Escreveu? Sucesso!

conceição fittipaldi (Mallika) disse...

Obrigada Ariana.

bem, todos os poemas deste blog sao de minha autoria.

Abcs.