sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Amo-te.


Amo.

Sua pele enrugada pelo tempo.

Suas mãos deformadas pela artrite.

Seus dedos tortos.

Suas veias azuis sobre uma pele sem viço.

Seus fios de neve na cabeça.

Seus lábios finos.

Seus olhos baços.

Sua voz rouca e baixa.

Seu toque suave.

Sua lentidão em tudo.

Seus pensamentos antigos.

Suas histórias do passado.

Seu riso triste.

Cada lágrima que enxuguei tua.

Teus abraços.

Teu amor.

O tempo que me concedestes.

Que ficastes comigo.

Que me olhaste aos olhos.

Que sofresses por mim.

Amo-te mãe.


Um comentário:

lu de lúcia disse...

fantástico!!
Andava a procurar poemas antigos. Bonitos. Com um amo-te e este esta maravilhoso.
Parabéns