quinta-feira, 17 de maio de 2012

Alma de sovina

Não, não darei nada meu.

Amealhei com suor.

Com trabalho árduo.

Acordei cedo,

Dormi tarde,

Dormi pouco.

Não, não darei nada meu.

Não me peçam esmolas,

Não me falem em caridade,

Fui honesto,

Trabalhei de boa vontade,

Guardei cada centavo,

Não gastei com souvenir,

Com besteiras,

Com diversões.

É meu esse tesouro.

Não, não darei nada meu.

Foi tudo com muito esforço.

Por que me pedes que abandone o que criei?

Nada mais interessa a mim a não ser o que é meu.

Saía daqui com tua luz, incomoda.

Cada um que amealhe seu ouro.

Não, não darei nada que é meu.

Mesmo, sem carne sobre os ossos,

Mesmo como dizes: morto.

Não, não darei nada que é meu.

Esse é meu tesouro.

O que construí.

E aqui ficarei guardando o brilho do metal.

Por toda a eternidade, mesmo sozinho.

Pois, foi aqui que empenhei minha alma.

Vai-te com tua luz.

Na escuridão que habito.

Só o brilho do metal amado sana minha dor.

Um comentário:

Francisco Parreira disse...

Muitas vezes não é o autor que conta mas a abrangência do conteúdo, gostei.