terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Meu guia.



Meu irmão.

Quanta falta.

Quanto tempo.

Quantas noites.

Ainda te procuro.

Tua doçura.

Teu amor.

Tuas sábias palavras.

Teus conselhos disfarçados.

Teu sorriso de boca pequena.

A esconder tantos mistérios.

Teus passos miúdos.

Tua roupa de monge.

Teu silêncio...

Tu que foste causa do aumento de minha fé.

Onde está meu amigo, meu irmão?

Quando falarei contigo?

E lembrarei disso?

Estou tentando.

Sentir tua presença,

Tuas energias sutis, finas, delicadas,

Deleite para os meus sentidos.

Faz-me voltar a te encontrar.

Ouvir falar do Cristo.

De Deus.

Do bom caminho.

Da boa luta.

Sinto saudades.

E o véu da morte nos separa.

Não sei ir onde estás.

Nem sei se poderia ir.

Mas, tu vens,

Sempre vens ajudar.

Mata minha saudade.

De te escutar.

Um comentário:

alberto quadros disse...

Gosto muito, vem dasua alma. Dig-me se gosta dos meus em sonhoscomsorte.