domingo, 28 de agosto de 2011

Ouço


Ouço o canto das cigarras.
O coaxar dos sapos.
O cri-cri dos grilos.

Ouço o vento na janela.
O balançar do capim no terreiro.
As folhas que se chocam com o vento.

Ouço o galo a cantar ao longe.
O toque do sino da igreja.
O relinchar dos cavalos.

Ouço o pulsa do meu coração.
Minha respiração.
E meus pensamentos.

Só não ouço sua voz ao vento.
Seus gritos de alegria.
Sua risada cheia de harmonia.

Minha alegria.
Não te ouço mais.
Quando irei te ouvir de novo?

Em que local te esconderam os anjos.
Os espíritos de luz que vieram te buscar.
Estes também não ouço.

Fico então a ouvir minha tristeza.
A minha fraqueza.
A minha esperança de um dia te encontrar.

Um comentário:

miGuel pesTana disse...

muito agradável o seu blogue.

Gostei bastante de passar cá.

silenciosquefalam.blogspot.com