domingo, 9 de janeiro de 2011

Criando asas.




Quando criarei asas.

E voarei?

Libertando-me da força que me prende.

A Terra que ensina.



Quando criarei asas.

E me lançarei ao espaço.

E serei mais um ser de luz.

A luzir no firmamento.



Quando criarei asas.

E poderei fugir dessa Terra que abrasa.

Meu coração tão enegrecido pelas dores.

E preencherei minha alma de paz.



Quando criarei asas.

E volitarei em torno desse planeta azul.

Perdido em meio a trilhões de outros.

Sem parecer ter algo especial.



E por fim, por que quando algo distante da minha terra natal.

Ouvi um choro, um lamento, um pedido.

O meu coração abrirá em chagas.



E pela dor que sinto no outro.

Recolherei minhas asas.

Reporei meus pés nos chãos.

E retornarei para auxiliar os irmãos.

Por quê?

2 comentários:

Annynha disse...

Mallika, adorei seu poema! Realmente quando nos alguma coisa nos magoa a primeira coisa que desejamos é criar asas para poder fugir ou até mesmo se libertar dessa dor que nos foi causada, porém da mesma forma que a dor nos leva a pensar assim o amor que sentimos por nossos próximos, que é muito maior do que qualquer dor, faz com que pensemos que voar sozinhos não tem menor graça quando se pode observar a expressão daquele que não consegue fugir da sua própria dor e é por isso que muitas vezes recolhemos nossas asas em busca do auxílio do próximo no lugar da busca do seu próprio auxílio.
Beijinhos!

Eduarda disse...

Mallika

só alguém com essa luz pode querer asas para dar amoraos outros.

entrei no fundo do teu poema e sem dúvidas fiquei.

bj