quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Corpo.

Meu corpo.

Tenho por limite meu corpo

Braços e pernas que pouco se estendem.

Tenho por navio meu corpo

Que veleja pela vida.

Tenho por amor Divino meu corpo

Que leva minha alma pelos tempos.

Tenho por mata borrão meu corpo

Que na pele aponta meus erros.

Tenho por amigo meu corpo

Que me espera quando saio.

Tenho por sentido meu corpo

Quando acaricio alguém.

Tenho por porto meu corpo

Para onde volto quando me convêm.

Tenho por memória meu corpo

Em todas as vezes que aqui voltei.

Tenho amor pelo meu corpo

Que me recebe sempre.

Esteja eu mal ou bem.

(visite:
Poemas e Encantos II )

2 comentários:

Carlos Lopes disse...

Muito bonita esta sua dedicatória ao Santuário da nossa Alma.

Abraço Fraterno
carlos

Poemas e encantos disse...

Obrigada.

Abraço amigo.