sábado, 1 de setembro de 2007

Amor, luz e dor.




Quão profundo pode ser o amor

Pináculo de luz ou Abismo de dor.

Onde se perdem as almas em tempestades e furor.

Quantos seres dementados, pelo “amor”, se sentem abandonados.

Caminhantes eternamente torturados.

Sejam homens ou mulheres, jovens ou anciões se perdem em lamentações.

Presos a uma ideia fixa do que seja o amor não se erguem em sua dor.

Torturam-se.. Por um tempo, por uma vida que já passou.

Reclamam da tristeza, da aflição, da solidão.

E nessa faixa de pensamentos perdem a razão.

Não compreende o amor como libertação.

Envolvidos nos martírios que criaram seguem alienados.

Bastaria uma oração que partisse dos seus corações.

E receberiam dos anjos auxilio e proteção.

Libertando-se da agonia, do egoísmo, da fixação.

Seguindo para caminhos mais leves.

Onde o amor é doação e nunca prisão.

2 comentários:

Bruxinhachellot disse...

Ao inventarmos um amor acabos por acreditr que ele deveria agir como panejamos e ao prendê-lo a nós os afastamos e acabamos por perdê-lo.

Beijos de Sol e de Lua.

Poemas e encantos disse...

Certamente.Estás certa com razão.
Bençãos.