domingo, 12 de agosto de 2007

Jovens.



Jovens.



Já não posso.



Doar o que doei.



Entregar-me do mesmo modo.



Ter verde eterno a minha esperança.



Acreditar veementemente na melhorar.



Sonhar que sim...Vai melhorar.



Que os problemas serão passageiros.



E mudaremos para melhor.



Já passou o tempo e a experiência endureceu meus sonhos.



Vejo-os a cada dia mais envolvidos em materialidade.



Eles não sonham com anjos.



Sonham com poder, sexo e drogas.



Choro pelas suas perdas.



Que eles acham ganhos.



Vejo-os estendido ao solo.



Em poças do seu próprio sangue.



Mortos, jovens, alegres e sanguinários.



Fariam o mesmo com outros.



Oro.



Para que não seja longo o tempo da reparação.



Que lhes chegue à compreensão.



Que ser bom é bom.

3 comentários:

Angélica disse...

Tratas de um tema muito importante na nossa sociedade... em todas as épocas da Humanidade, talvez.

Denis já refletia sobre o problema da ausência de Deus na vida dos jovens na França do seu século.

Perguntava-se se a sociedade estara preparada para orientar os Espíritos recém chegados do plano espiritual no caminho do Bem e da Verdade...

Beijinhos com carinho :)

Poemas e encantos disse...

Retiraram Deus da família, da escola, do Estado, da vida. Não existe nenhum caminho a ser ensinado que os jovens se sintam atraídos ou amparados. Uma pena.

Anônimo disse...

Os jovens estão perdidos, pois nei todos pensam em estudar, mutos vai a escola so namorar.
Achei algo em sua poesia q faz com q cada jovem pare para pensar!